Disciplina: Tópicos Especiais em Diversidade, Educação e Desigualdade Social – JUVENTUDE: TEMPOS E ESPAÇOS NO CINEMA E NA TEORIA SOCIAL

Boyhood

Universidade Federal Fluminense

Faculdade de Educação

Programa de Pós-Graduação em Educação (Mestrado e Doutorado)

Linha de Pesquisa: Diversidade, Desigualdades Sociais e Educação

Disciplina: Tópicos Especiais em Diversidade, Educação e Desigualdade Social – JUVENTUDE: TEMPOS E ESPAÇOS NO CINEMA E NA TEORIA SOCIAL

Carga Horária: 60 Horas. (PROGRAMA JUVENTUDE CINEMA TEORIA_CARRANO_UFF – arquivo pdf)

Sextas-Feiras, de 14 às 17h, sala 316. Faculdade de Educação da UFF, Bloco D, Campus Gragoatá. Niterói.

Professor: Prof. Dr. Paulo Carrano

Ementa:

Interpretação de filmes; representação e representificação no cinema; “o problema” das gerações e da transição para a vida adulta; jovens, tempo e mudança social; jovens, espaços e territorialidades; jovens trabalhadores/as, produção e reprodução social e desigualdades sociais; transição escola e trabalho; ser jovem e ser estudante; juventude e cotidiano escolar de ensino médio; jovens e engajamentos no espaço público

Objetivos

Este “Tópicos Especiais” retoma iniciativa realizada no ano de 2003 com atividade de Estudo Independente Supervisionado 1,também neste curso de Pós-Graduação em Educação, intitulada “Cinema e Juventude: um diálogo de cinco décadas”. Na ocasião dissemos:

“…é preciso reconhecer que temos também na produção cinematográfica obras memoráveis com estéticas e conteúdos significativos que contribuem para a ampliação do conhecimento sobre as transformações históricas, materiais e simbólicas características do ser jovem ao longo das últimas cinco décadaas.[2] Cientes dos riscos presentes nos cruzamentos entre ciência e arte se tentará neste curso evitar a imposição do pedagógico sobre o fílmico assim como o artificialismo na reflexão científica. Assim, é nosso objetivo por em diálogo uma selecionada produção acadêmica com diferentes narrativas que se configuraram nas telas do cinema sobre a temática da juventude no curso de cinco décadas. (Carrano, 2003:2)”

A perspectiva agora busca colocar em diálogo filmes compreendidos como representações dentre outras possíveis, independentes de sua cronologia, e discussões conceituais significativas para o campo de estudos da juventude sob a perspectiva das ciências sociais. Pretende-se que os participantes da disciplina se lancem para a análise dos filmes sugeridos – suas formas estéticas e conteúdos representacionais – utilizando o suporte de conceitos e chaves analíticas de autores significativos na teoria social e no campo de estudos sobre a juventude, em particular. Uma das questões que enfrentaremos conjuntamente será a de estabelecer metodologias adequadas para realizar o duplo esforço de analisar as imagens e sons, suas representações e intecionalidades que se configuraram em determinado filme, e simultaneamente interpretar o contexto histórico-social da juventude que este mesmo filme buscou representar.

Metodologia

As aulas serão intercaladas entre discussão de textos previamente lidos e exibição e debate sobre filmes, preferencialmente ficcionais, com temáticas e problemas relacionados com os referidos textos. Os ciclos temáticos são os que seguem: 1. O conceito de “gerações”; 2. tempo e mudança; 3. espaços e territorialidades; 4.trabalho, produção e reprodução da vida; 5. escola e juventude; 6. jovens e engajamentos no espaço público.

No primeiro encontro trataremos do problema da análise fílmica e buscaremos coletivamente caminhos interpretativos.

Avaliação

A avaliação considerará a frequência, a interação em sala de aula, a participação crítico- reflexiva, a qualidade da argumentação e o cuidado com a escuta, a leitura dos textos obrigatórios, o domínio das leituras recomendadas e também a produção textual. O trabalho final consistirá na elaboração de artigo crítico e fundamentado nos textos do curso sobre um dos filmes do ciclo. O artigo deverá ter entre 8 e 12 páginas. Será permitida a elaboração de artigos em dupla de autores.

PROGRAMA

04/12 – Não haverá aula. Prof. estará na Reunião de Antropologia do Mercosul (RAM) – URUGUAY

Aulas

  1. 11/12

Apresentação do Programa da Disciplina.

Discussão sobre análise de filmes

Textos para discussão:

MENEZES, Paulo Roberto Arruda de. Cinema: imagem e interpretação.Tempo Social, Brasil, v. 8, n. 2, p. 83-104, dez. 1996. ISSN 1809-4554. Disponível em: <http://www.revistas.usp.br/ts/article/view/86299>. Acesso em: 21 nov. 2015.

______________________________. Tropa de Elite: perigosas ambiguidades. RBCS Vol. 28 n° 81 fevereiro/2013. Disponível em:<http://www.scielo.br/pdf/rbcsoc/v28n81/05.pdf >. Acesso em: 21 nov. 2015.

Leitura complementar:

MENEZES, Paulo. REPRESENTIFICAÇÃO
As relações (im)possíveis entre cinema documental e conhecimento. In: RBCS Vol. 18 no. 51 fevereiro/2003. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/rbcsoc/v18n51/15987.pdf> Acesso em 23 nov. 2015.

VANOYE, Francis & GOLIOT-LÉTÉ. Ensaio sobre a análise fílmica. Campinas, SP: Papirus, 2012 (7a ed.).

  • youth_and_old_age_1960_ciccone_antonio_.jpgO conceito de “gerações”
  1. 18/12

CICCELLI, V. Repensar os laços entre pais e jovens adultos fora da aporia conflito/entendimento.Interseções: Revista de Estudos Interdisciplinares, 3(2), 247-265. 2001. Disponível em: < https://www.dropbox.com/s/4856j6zz0jzexgm/vincenzo.rtf?dl=0>. Acesso em: 21 nov. 2015

MANNHEIM, Karl. “El problema de las generaciones” [tradução: Ignacio Sánchez de la Yncera], Revista Española de Investigaciones Sociológicas(REIS), n. 62, pP. 193-242, 1993. Disponível em: <http://www.reis.cis.es/REIS/PDF/REIS_062_12.pdf>. Acesso em: 21 nov. 2015.

Leitura complementar:

WELLER, Wivian. A atualidade do conceito de gerações de 
Karl Mannheim. Revista Sociedade e Estado – Volume 25 Número 2 Maio / Agosto 2010, 205-224. Disponível em: < http://www.scielo.br/pdf/se/v25n2/04.pdf>. Acesso em: 21 nov. 2015.

  1. 08/01 – FILME

boyhood.jpegBOYHOOD – Da infância à Juventude. Direção de Richard Linklater. Produção de Richard Linklater; Cathleen Sutherland; Jonathan Sehringf; John Sloss. S.i. – Eua -: Ifc Produtions, 2014. (166 min.), DVD, son., color. Legendado.

  • Tempo e Mudança
  1. 15/01

LECCARDI, Carmen. Por um novo significado do futuro mudança social, jovens e tempo. In: Tempo Social, revista de sociologia da USP, v. 17, n. 2, 35-57, 2005. Disponível em: < http://www.revistas.usp.br/ts/article/view/12470>

MELUCCI, Alberto. Juventude, tempo e movimentos sociais. Revista Brasileira de Educação. Mai/Jun/Jul/Ago 1997 Nº 5 Set/Out/Nov/Dez 1997 Nº 6. Disponível na Internet:

<http://anped.org.br/rbe/rbedigital/RBDE05_6/RBDE05_6_03_ALBERTO_MELUCCI.pdf >. Acesso em 15 Nov. 2015.

Leitura Complementar:

LECCARDI, Carmen. Facing uncertainty. Temporality and biographies in the new century. In:Young. Vol 13(2): 123–146, 2005. Disponível na Internet:http://you.sagepub.com/cgi/content/abstract/13/2/123 . Acesso em: 15 Nov. 2015.

SPOSITO, M. P.; NAKANO, . M. . A perspectiva comparativa e a sociologia da juventude: um estudo sobre jovens universitários chineses e brasileiros. In: XXIX Congresso Latinoamericano de Sociologia ALAS, 2013, Santiago. Acta Cientifica do XXIX Congresso de la Associación Latinoamericana de Sociologia. Santiago: ALAS, 2013. p. 01-33. Disponível na Internet: <https://www.dropbox.com/s/ydufbq3m635fixt/GT22_Nakano_PontesSposito.pdf?dl=0> Acesso em 15 Nov. 2015.

WELLER, Wivian;BASSALO, Lucelia M.B.. Estudantes universitários na China e no Brasil: características socioeconômicas, escolhas acadêmicas e projetos de futuro. In: VI Encontro Internacional da Sociedade Brasileira de Educação Comparada, 2014, Bento Gonçalves. Anais do VI Encontro Internacional da Sociedade Brasileira de Educação Comparada, 2014. v. 1. p. 1-22. Disponível na Internet: <http://www.sbec.org.br/evt2014/wivian_weller.pdf> Acesso em 15 Nov. 2015.

FRODON, Jean-Michel & SALLES, Walter (orgs.). O mundo de Jia Zhangke. São Paulo: Cosac Naify, 2014.

  1. 22/01 – FILME

plataforma_cartaz.jpgPLATAFORMA (Zhantai). Direção de Jia Zhangke. Roteiro: Jia Zhangke. Música: Yoshiro Hanno. Hong Kong, China, Japão, França: Produção Associada Chow Keung, Yu Lik-wai, 2000. (193 min.), son., color. Legendado. Disponível em: <https://youtu.be/0uK9jzak1Ck&gt;. Acesso em: 15 nov. 2015.

29/01 Não haverá aula. Prof. participando do IV SENACEM – Seminário Nacional do Ensino Médio (UERN)

05/02 – Não Haverá aula. Sexta-Feira de Carnaval.

  • Espaços e Territorialidades
  1. 12/02 (Filme e discussão de textos)

cinco_vezes_favela_cartaz.jpg5XFAVELA – Agora por Nós Mesmos (Original). Direção de Cacau Amaral Cadu Barcellos, Luciana Bezerra, Luciano Vidigal, Manaira Carneiro, Rodrigo Felha, Wagner Novais. Produção de Cacá Diegues, Renata Almeida Magalhães. 2010. (96 min.), son., color. Disponível em: <https://youtu.be/imLr3Zt5RaM&gt;. Acesso em: 22 Nov. 2015.

SILVA, Luiz A. Machado & LEITE, Márcia P. Leite. Violência, crime e polícia: o que os favelados dizem quando falam desses temas? In: Sociedade e Estado, Brasília, v. 22, n. 3, p. 545-591, set./dez. 2007. Disponíve em: <http://www.scielo.br/pdf/se/v22n3/04.pdf&gt; Acesso em 22 Nov. 2015.

TELLES, Vera. Prospectando a cidade a partir de suas margens: notas inconclusas sobre uma experiência etnográfica. In: Contemporânea, v. 3, n. 2 p. 359-373 Jul.–Dez. 2013. Disponível na Internet: <http://www.contemporanea.ufscar.br/index.php/contemporanea/article/view/147/83>

Acesso em 15. Nov.2015.

Leitura complementar:

KESSLER, Gabriel. Las consecuencias de la estigmatización territorial. Reflexiones a partir de un caso particular. In: Espacios en Blanco – Serie indagaciones – No 22 – Junio 2012, 165-197. Disponível na Internet: <http://ref.scielo.org/sb7xwv> Acesso em 15 Nov. 2015.

RIBEIRO, Ana Clara. Territórios jovens: técnica e modos de vida. In: Narrativas juvenis e espaços públicos: olhares de pesquisas em educação, mídia e ciências sociais. Niterói; Editora da UFF, 2014, 19-30.

  • Trabalho, produção e reprodução da vida
  1. 19/02

BORIS, Eileen.Produção e reprodução, casa e trabalho.Tempo soc.[online]. 2014, vol.26, n.1, pp. 101-121. ISSN 0103-2070. Disponível em: <http://dx.doi.org/10.1590/S0103-20702014000100008&gt;. Acesso em 22 Nov. 2015.

SORJ, Bila.Socialização do cuidado e desigualdades sociais.Tempo soc.[online]. 2014, vol.26, n.1, pp. 123-128. ISSN 0103-2070. Disponível em: <http://dx.doi.org/10.1590/S0103-20702014000100009&gt;. Acesso em 22 Nov. 2015.

Leitura Complementar:

CORROCHANO, Maria Carla.Jovens trabalhadores:expectativas de acesso ao ensino superior.Avaliação (Campinas)[online]. 2013, vol.18, n.1, pp. 23-44. Disponível na Internet: <http://ref.scielo.org/m2zz5k> Acesso em 1 Nov. 2015

JACINTO, Cláudia et alli. JÓVENES, PRECARIEDADES Y SENTIDOS DEL TRABAJO. In: 70 Nacional de Estudios del trabajo. ASET: Buenos Aires, s/d, 26 p. Disponível em: <http://www.aset.org.ar/congresos/7/02007.pdf> Acesso em 15 Nov. 2015

VENTURI, Gustavo & TORINI, Danilo. Transições da escola para o mercado de trabalho de mulheres e homens jovens no Brasil. In: Organização Internacional do Trabalho. Genebra: OIT, 2014, 70 p. Disponível em: <http://www.ilo.org/employment/areas/youth-employment/work-for-youth/publications/national-reports/WCMS_326892/lang–pt/index.htm> Acesso em 22 Nov. 2015.

  1. 26/02 – FILME:

que_horas_ela_volta.jpgQUE Horas Ela Volta?. Direção de Anna Muylaert. Produção de Anna Muylaert, Caio Gullane, Débora Ivanov, Fabiano Gullane. 2015. (114 min.), DVD, son., color.

  • Escola e juventude

9. 04/03

BECKER, Howard S. A pesquisa em escolas urbanas. In: Revista Enfoques PPGSA-IFCS-UFRJ Vol. 13 (1) Dezembro – 2013. Disponível em: <http://www.enfoques.ifcs.ufrj.br/ojs/index.php/enfoques/article/view/66> Acesso em: 22 Nov. 2015.

MARTUCCELLI, Danilo. Condición adolescente y ciudadanía escolar. No prelo. (Publicação prevista para Dezembro de 2015).

SPÓSITO, Marilia. Uma perspectiva não escolar do estudo sociológico da escola. In: Sociologia da Educação: pesquisa e realidade brasileira. Rio de Janeiro, Petrópolis: Editora Vozes, 2007, 19-59. Disponível em: <http://www.usp.br/revistausp/57/14-marilia.pdf> Acesso em 14.09.2013

Textos complementares:

CARRANO, Paulo Cesar Rodrigues;BRENNER, Ana Karina. Os sentidos da presença dos jovens no Ensino Médio: representações da escola em três filmes de estudantes. Educação & Sociedade (Impresso), v. 35, p. 1223-1240, 2014. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/es/v35n129/0101-7330-es-35-129-01223.pdf> Acesso em 15 Nov. 2015

DAYRELL, Juarez. A escola “faz” as juventudes? Reflexões em torno da socialização juvenil. Educ. Soc., Campinas, vol. 28, n. 100 – Especial, p. 1105-1128, out. 2007. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/es/v28n100/a2228100>. Acesso em 15 Nov. 2015

FURTADO, Filipe. Escola Secundária (Escuela Normal): de Celina Murga (Argentina, 2012).Cinética: Cinema e crítica,Rio de Janeiro, p.1-1, 01 out. 2012. Semanal. Disponível em: <http://www.revistacinetica.com.br/escolasecundaria.htm&gt;. Acesso em 22 nov. 2015.

Ng-A-Fook, N.Robayo-Sheridan, K. & Noble, S., “Reconceptualizing High School: Curriculum, Film, and Narrative Assemblies”,Journal for the American Association for Advancement of Curriculum Studies, 7(1),2011,pp. 1-27. Disponível em: <https://www.uwstout.edu/soe/jaaacs/upload/nicholas_v7.pdf> Acesso em 22 Nov. 2015.

10. 11/03

Filme:

high_school.jpegHIGH School. Direção de Frederick Wiseman. Produção de Wiseman’s Distribution Company, Zipporah Films. Eua, 1968. (75 min.), son., color. Disponível em: <https://youtu.be/j-xJoCQEreM?list=PLkysdmkM1k1G_Cb15DW5gEpfsfB_ayG3D&gt;. Acesso em 22 nov. 2015.

Entrevista em vídeo:

ENTREVISTA a Celina Murga, directora de Escuela Normal. Buenos Aires: Educar Portal, 2012. Son., color. Disponível em: <https://youtu.be/AjGIkXr9mwc&gt;. Acesso em 22 nov. 2015.

  • Jovens e engajamentos no espaço público

11. 18/03

SPOSITO, Marilia Pontes ;BRENNER, Ana Karina; CARRANO, Paulo Cesar Rodrigues; Les jeunes et l’action collective au Brésil et en Amérique Latine: multiplicité des acteurs et des formes de protestation. Problèmes d’Amérique Latine, 2015. (Leitura da versão em português a ser enviada para a turma por e-mail).

MELUCCI, Alberto. Um objetivo para os movimentos sociais? Revista Lua Nova: São Paulo – Junho/1989, n. 17, 49-66. Disponível em: <http://ref.scielo.org/54h8z3> Consultado em: 22.11.2015

Leitura complementar:

MARTUCCELLI, Danilo. Esfera pública, movimientos sociales y juventud. In: Internet y movilizaciones sociales: transformaciones del espacio público y de la sociedad civil. São Paulo: Edições Plataforma Democrática, 2015, 48-95. Disponível em: <http://www.plataformademocratica.org/Arquivos/Internet_y_Movilizaciones_Sociales_Transformaciones_del_Espacio_Publico_y_de_la_Sociedad_Civil.pdf> Acesso em15 Nov. 2015

25/03 – Feriado Nacional.

12. 01/04 – FILME

as_jornadas_de_junho.jpegA PARTIR DE AGORA – As jornadas de junho no Brasil. Direção de Carlos Pronzato. Produção de Cristiane Paolinelli. Realização de Lamestiza Audiovisual. Roteiro: Carlos Pronzato. Brasil, 2014. (119 min.), son., color. Edição: Ricardo Gomes (Coletivo Das Lutas RJ); Edição teasers e pesquisas de imagens adicionais: Richardson Pontone. Documentário. Disponível em: <https://youtu.be/3dlPZ3rarO0&gt;. Acesso em 22 nov. 2015.

Filme complementar:

POR uma vida sem catracas, MPL. Direção de Carlos Pronzato. Produção de Cristiane Paolinelli. Realização de Carlos Pronzato. São Paulo, 2014. 1 (40 min.), son., color. Documentário. Disponível em: <https://youtu.be/UNBm-dt2LRs&gt;. Acesso em: 15 nov. 2015.

  • festa1.jpgEncerramento e confraternização

1.[1]CARRANO, Paulo Cesar Rodrigues.CINEMA E JUVENTUDE: UM DIÁLOGO DE CINCO DÉCADAS:Ementa – ESTUDO INDEPENDENTE SUPERVISIONADO. 2003. Programa de Pós-Graduação em Educação (Mestrado e Doutorado). UFF. Campo de Confluência “Educação Brasileira”.. Disponível em: <http://www.uff.br/observatoriojovem/materia/cinema-e-juventude-um-diálogo-de-cinco-décadas-ementa-de-curso-ano-2003&gt;. Acesso em: 23 nov. 2015.

[2] Sobre isso, Bakari Kitwna comenta sobre o fracasso dos intelectuais em tentarem fazer uma análise da cultura jovem negra que emergiu nos anos 80 e 90, ao mesmo tempo em que assinala como os jovens diretores negros chamaram para si a tarefa com êxito em filmes como “Os donos das ruas” de Jonh Singleton (1991) – sobre um grupo de amigos que nascem, crescem e, em alguns casos, morrem no bairro de South Central – Los Angeles. Ver artigo Caderno mais! , Folha de São Paulo, 18/08/2002.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s